Vitor Lippi apresenta novo tema para análise e desenvolvimento no Centro de Estudos e Debates Estratégicos da Câmara Federal

15 de Maio de 2015, 16:30

Vitor Lippi
quer ampliar o debate acerca da participação das universidades no desenvolvimento
regional.

No encontro
desta semana, o tema sugerido pelo deputado sorocabano foi aprovado e as
discussões com os técnicos terão início no dia 26 de maio. O Cedes conta com
suporte técnico de equipe multidisciplinar de consultores legislativos que
auxiliam no estudo sobre os temas propostos pelos parlamentares.

Para Vitor
Lippi, é preciso criar oportunidades a partir de estruturas como as das
universidades, formando núcleos de planejamento voltados para o desenvolvimento
local, fortalecendo vacações já existentes. “É preciso agregar valor ao
conteúdo acadêmico já produzido, despertando nos professores e alunos a vontade
de melhorar as regiões brasileiras, a competitividade, atraindo mais empresas,
fortalecendo as existentes, gerando mais empregos e criando novas
oportunidades.”

Vitor Lippi
destaca também que o projeto melhora a relação da sociedade com os poderes
administrativos, pelo compartilhamento de ideias com prefeituras e casas
legislativas. “A participação da sociedade é muito importante e com isso
teremos alunos e professores exercitando mais a cidadania, a responsabilidade
social, a visão comunitária, contribuindo cada vez mais para o desenvolvimento,
trabalhando em cima de um caso real, que é o local onde vivem”.

A semana de
trabalho no Cedes também foi marcada pelo lançamento de estudo desenvolvido no
Centro, sob o título “Instrumentos de Gestão das Águas”.

O trabalho
salienta instrumentos já previstos na Lei Nº 9.433, de 1997, a chamada lei das águas, e trata esse recurso
natural limitado como um bem de domínio púbico, dotado de valor econômico,
social e ambiental.

Iniciado há
dois anos, o estudo promoveu palestras e debates com especialistas de
instituições governamentais e privadas, da academia e da sociedade civil, entidades
ligadas aos recursos hídricos nos Estados e no Distrito Federal, além da
ANA-Agência Nacional das Águas, Conselho Nacional de Recursos Hídricos, Comitês
de Bacias Hidrográficas, CNI-Confederação Nacional da Indústria, entre outros,
que deram importantes  contribuições para
o sucesso da publicação.

O estudo
destaca, entre outras questões, o fato de que o país perde quase 40% da água
tratada por meio de tubulações furadas ou ligações clandestinas, o que acaba
por refletir no aumento dos custos ao consumidor.

 O Cedes iniciou o estudo antes mesmo da crise
hídrica que afeta várias capitais, causando desabastecimento e prejuízos à
população brasileira, o que ressalta a importância da publicação como um
instrumento que poderá nortear ações de gestão de um bem tão precioso como a
água.